Puta Letra!

Oi pessoal, hoje é dia de post na comunidade Puta Letra! Quem puder visitar e dar um joinha para apoiar o meu trabalho, ficarei muito agradecida =D

Linhas tortas

Não me considero lá uma pessoa muito religiosa, mas tenho fé em Deus e acredito que o que é pra ser nosso acaba sendo, de uma maneira ou de outra. Aliás, acho que Ele tem um senso de humor bem peculiar, pois geralmente isso acontece da maneira mais torta e irônica possível — mas acontece.

Com uma ressalva: você tem que ralar. Afinal, se caísse do céu, seria tudo muito fácil e entediante, não é? Nananina. “Quer alguma coisa, filhão? Eu te ajudo, mas vai atrás. Dê seu sangue pra eu ver se você merece.”

http://putaletra.com.br/2015/11/linhas-tortas/

Anúncios

E agora, um poema

Depois de mais de dez anos, resolvi me arriscar a escrever em verso de novo. Gostei, a escrita flui ainda mais visceral. Espero que gostem também.

Fatiga os ombros como o peso das memórias

Retalha o peito como mil facas em brasa

Invade a alma como o frio da solidão

Amarga a língua como o gosto do fracasso

Transborda os olhos como o sangue da derrota

“Dessa vez vai ser diferente”. Ledo engano. 

You’ll never be good enough.

“Somos tão jovens…”

Uma menina me ensinou
Quase tudo o que eu sei
Era quase escravidão,
Mas ela me tratava como um rei…

(Renato Russo)

Poucas escravidões são mais cruéis do que as dos sonhos alheios, das rotinas sufocantes, do “isso é melhor pra você”, do “é pro seu bem”.

Quando foi que você parou de sonhar? Quando abandonou seus projetos para alimentar os desejos dos outros? Parafraseando Cecília Meireles: em que espelho ficou perdida a sua face?

Nunca é tarde pra voltar pela contramão e mudar de rumo. E vou te dizer uma coisa: o prazer de sentir de novo o vento no rosto é inexplicável, e a única coisa em que você consegue pensar é por que diabos não chutou o balde antes.

Não é tarde demais. “Temos todo o tempo do mundo”…

“Sei que é importante debater racismo, mas algumas coisas são um exagero” – ela disse

Melhor texto que eu já li sobre racismo — explícito ou velado. Vale a pena ler!

Nada sob Controle

Faça um exercício de sair do próprio corpo, da própria vida. Imagine que você é uma pessoa que cresceu ouvindo que você tem cara de empregada/presidiário, que você é fábrica de bandido, que leva 9 meses para você “evacuar” um bebê. Você tem uma aparência que as pessoas tratarão de duas formas: partindo do princípio de que você é uma pessoa criminosa OU com a ideia de que sua libido é tão alta que você só pensará em sexo todos os dias, o dia inteiro.  Vão falar pra você usar efeitos em suas fotos que deixarão a sua pele mais clara, irão indicar um alisante “ótimo” para “domar” os fios que naturalmente nascem de você. Sua família é descendente de pessoas trazidas contra a vontade para o país. Sua bisavó foi obrigada a deixar o filho recém nascido passar fome enquanto amamentava o filho de outra pessoa, sob o risco…

Ver o post original 849 mais palavras

Linhas tortas

Não me considero lá uma pessoa muito religiosa, mas tenho fé em Deus e acredito que o que é pra ser nosso acaba sendo, de uma maneira ou de outra. Aliás, acho que Ele tem um senso de humor bem peculiar, pois geralmente isso acontece da maneira mais torta e irônica possível — mas acontece.

Com uma ressalva: você tem que ralar. Afinal, se caísse do céu, seria tudo muito fácil e entediante, não é? Nananina. “Quer alguma coisa, filhão? Eu te ajudo, mas vai atrás. Dê seu sangue pra eu ver se você merece.”

E quem disse que Deus não curte ciência? É a primeira lei de Newton: um corpo em repouso tende a permanecer em repouso, e um corpo em movimento tende a permanecer em movimento.

Portanto, se você está de saco cheio da sua vida, pare de reclamar no Facebook e de alugar o ouvido dos seus amigos e tome uma atitude. Vá lá e faça. Mude. Saia da inércia. Enquanto você não tomar as rédeas dos seus problemas e pensar em uma solução concreta, eles vão continuar lá. Deus não vai descer pra segurar na sua mãozinha e te mostrar o que você tem que fazer  — e não faz diferença nenhuma o quanto você pagou de dízimo o mês passado.

Eu sei que é difícil largar o emprego que você odeia ou o relacionamento que já declarou falência faz tempo. Comece devagar, então. Que tal aquele corte de cabelo que você sempre amou mas nunca teve coragem de fazer? Se não der certo, cabelo cresce. Se der, você ganha coragem e um up na autoestima. A “zona de conforto”, de confortável, não tem nada: é uma região tóxica e sufocante, que rouba a sua vontade de viver dia após dia.

De vítimas das circunstâncias o mundo já está cheio. Que tal começar a escrever a sua própria história?

(P.S.: li em algum lugar que quando uma mulher está de saco cheio, a primeira coisa que ela muda é o cabelo. Faz sentido, as duas mudanças mais radicais que eu já fiz no cabelo foram o começo das duas guinadas mais importantes que eu dei na minha vida, quando comecei a sair de onde eu estava e me perguntar onde eu quero chegar. Coincidência? Acho que não.)

(P.S. 2: achei mil imagens lindas pra esse post, mas TINHA que ser essa. Thelma e Louise, divas eternas!!!)

Quem nunca foi a garota do canto?

Espero que meus (poucos) leitores fiéis perdoem o imperdoável: estou sem tempo para escrever. Sem tempo, sem inspiração, sem ânimo, sem “pegada”. E numa fase não das melhores, em que o tempo se arrasta à espera de dias melhores.

Enquanto a inspiração não volta, fiquem com a “garota do canto” — na qual, pasma, identifiquei um retrato do meu passado não muito distante e de muitos momentos do meu presente. Há muitas “garotas do canto” por aí; há um pouco da “garota do canto” em todas nós.

Quem nunca foi a garota do canto?

A garota do canto espera a sua vez, não por educação, nem por paciência; espera porque espera. Espera porque não aprendeu a se levantar.

A garota do canto gosta de tomar chuva, mas desconhece que gosta. A garota do canto jamais se perguntou sobre o que gosta. Nunca publicou um texto do seu diário. A garota do canto é tom pastel. É uma música que não faria tanta diferença. É a sessão de cinema, seguida de pizzaria e nada para dizer a respeito do filme. É vampira, sem reflexo no espelho.

(leia mais no blog Entenda os Homens)

Dependência emocional: o amor que aprisiona

Psicologia Acessível

Por: Ane Caroline Janiro

“Ela é bonita, inteligente, mas não consegue ser feliz sozinha. Está em um relacionamento destrutivo, faz de tudo pelo parceiro, se anula, se esgota por ele, mendiga atos de amor por parte dele. Não acredita em suas próprias capacidades, precisa da constante aprovação do companheiro e das outras pessoas, é insegura, sente ciúmes excessivamente, tem medo de ser abandonada e por isso se molda conforme a vontade alheia, se esquecendo completamente daquilo que ela realmente é. Quando seu relacionamento chega ao fim, tudo parece ser uma tempestade horrível! Passa pela fase do sofrimento quase insuportável, decide que “agora tudo será diferente” e por não acreditar em seu próprio valor, logo estará de novo envolvida com promessas de amor vagas, carícias e demonstrações de afeto não muito duradouras. Algo que, agora sim, parece ser a chave de sua felicidade, mas na verdade está em uma nova prisão…

Ver o post original 845 mais palavras

Escrever é uma forma de curar a alma

Diário de uma advogata

Escrever é uma forma de curar a alma!
É uma forma de gritar em silêncio
De chorar em seco
De esfregar a alma com sabão.
Não posso dizer sobre pintar
Porque mal sei casinha desenhar
Cantar muito menos,
sou desafinada ao extremo
Mas aprecio uma bela canção.
Sinto que toda forma de arte
É um grito, um choro no escuro
Ou mesmo uma gargalhada
Daquelas escancaradas
A única certeza que tenho
É que, ao escrevermos
Cantarmos, tocarmos
Dançarmos, pois o corpo também
pede passagem ao movimento
Fluir das águas internas
E a arte de ser vento
E ser água está na dança
Na alma que deixa de ser tormento
E passa a ser bonança!
Arte é grito do que foi contido
Guardado na alma
Minha alma se desenha em letras
Se desfaz dos sons
E no silêncio escreve
A cura da alma em seus vários tons!
Minha alma se desfaz

Ver o post original 19 mais palavras