perdão

O que se perde enquanto os olhos piscam

Ciúmes, inveja, incompreensão, falta de empatia… Esses são alguns dos sentimentos que fazem tremer as bases de um relacionamento interpessoal. Mas eu me arrisco a dizer que o pior dos venenos é o orgulho.

O orgulho que te faz querer provar a todo custo que você está certo, independente do quanto vai machucar a outra pessoa. O orgulho que te faz acreditar que qualquer vivência do outro tem o único e exclusivo objetivo de te machucar. O orgulho que afasta pessoas que se gostam pelo simples fato de que nenhuma das duas quer dar o braço a torcer. O orgulho de remoer palavras amargas que foram ditas em um momento de raiva.

Somos humanos. Eu, tu, ele, nós, vós, eles. Temos desejos inconfessáveis, vontades reprimidas, medo da solidão, medo da entrega. Medo de entrar em uma disputa e sair perdendo. E o medo encobre tanto a vista que chega um ponto em que sequer conseguimos lembrar como a disputa começou.

Ao mesmo tempo em que constrói muralhas, o orgulho derruba pontes. E num piscar de olhos, tudo o que levou anos para ser conquistado pode acabar indo pelo ralo. Confiança, companheirismo, respeito. Pelo medo de estender a mão e compreender que o outro é tão humano quanto você e que a dor dele pode ser pior que a sua. Será que vale a pena?

Perdão não é fraqueza. É sinal de humanidade. É entender a fragilidade do outro e abraçar a sua própria. A vida é frágil, assim como nossos laços. Por que não começar a construir mais pontes em vez de muros?

(P.S.: emprestei o título do artigo de uma música do Teatro Mágico que me veio junto com a inspiração.)

Blogs inspiradores: Eduardo e Mônica

De uns tempos pra cá, a ideia de colocar uma mochila nas costas e sair pelo mundo sem rumo e sem data pra voltar tem me encantado cada vez mais. Embora seja inviável pra mim nesse momento, comecei a ler sobre o assunto e encontrei vários blogs inspiradores com histórias de viajantes que tiveram a coragem de viver essa aventura.

Foi assim que eu conheci o Eduardo e a Mônica, um casal gaúcho que largou tudo para conhecer o mundo. Também, com esses nomes, a vida deles só podia ser feita de poesia, né?

Além das histórias de viagens, o blog deles está cheio de textos inspiradores sobre felicidade, leveza e desapego (meu preferido: Desapego é uma questão de hábito). Vale a pena conferir!

Eduardo e Mônica

Eu não nasci pra ser exemplo

Por que você ainda vive preso a um estilo de vida que não te define?

Mudaram as estações, nada mudou. Depois da era do amor livre, dos hippies e do movimento feminista, a sociedade ainda continua muito clara quanto ao que espera de nós.

Seja um bom aluno, passe no vestibular, entre na universidade, consiga um bom estágio, depois um bom emprego, namore, case – no papel e na igreja – e tenha filhos. Compre uma casa, almoce com a família aos domingos, tenha o carro do ano e um bom plano de saúde.

Nesse meio tempo, trabalhe dez horas por dia para sustentar parasitas: pague em dia o dízimo, os impostos e o carnê do carro. Consuma cada vez mais e tenha cada vez menos: menos tempo, menos saúde e menos vontade própria. Sua vida é perfeita, o que mais você pode querer? E trabalhe até a morte, pois o trabalho dignifica o homem (com o tanto que você bebe e fuma, dificilmente chegará à a aposentadoria, mas quem se importa? Um “vagabundo” a menos para onerar a Previdência Social).

Por que diabos tem que ser assim?

E se eu quiser largar tudo pra viajar o mundo, viver de fotografia ou trocar trabalho por hospedagem e comida? E se eu resolver investir no esporte que sempre amei em vez de passar a vida de terno e gravata? E se eu preferir um relacionamento sem rótulos que me faça bem, ou até mesmo relacionamento nenhum? Qual o problema?

A igualdade da maneira como está na Constituição não existe. Somos todos diferentes, com diferentes sonhos, aspirações, desejos. Por que então temos que seguir o mesmo script?

Resposta: não temos. Mas é preciso coragem para abandonar o que a sociedade quer de nós e descobrir o que nós queremos da vida.

(Publicado originalmente em Puta Letra)

Do que você precisa para ser feliz?

De uns meses pra cá, tenho lido muita coisa sobre vida minimalista e percebi quantas coisas inúteis acumulamos diariamente. Quem não tem mania de comprar cinco camisetas de cores diferentes do modelo que gostou, trocar de celular todo ano, ter quatro utensílios de cozinha com a mesma função, dez calças jeans ou vinte jogos de cama?

Pare e pense: você precisa de tudo isso? Você USA tudo isso?

Continuar lendo

27 coisas que levei 27 anos para aprender

A gente apanha muito durante a vida, mas é apanhando que se aprende a continuar sempre de pé. A não desistir no meio do caminho, insistir nem que seja por teimosia, porque lá no fundo, sabemos que vale a pena. Se eu tivesse que escrever um “manual de instruções para a vida” para mim mesma, seria este. Ainda não consigo colocar tudo em prática, e quando conseguir, novas regras surgirão. Mas, por enquanto, é o que temos pra hoje…

  1. Não espere dos outros o que é sua obrigação fazer por si mesma. Seja você mesma seu esteio, seu porto seguro, sua fortaleza. E tranque fora dela tudo o que te faz mal.

  2. Não crie expectativas. A alegria de uma surpresa boa é tão grande quanto a dor de uma decepção.

  3. Não tenha medo de dizer não. Ser bom é uma coisa, anular-se para servir às vontades dos outros é bem diferente.

  4. Zona de conforto é uma prisão que te impede de enxergar o que você realmente é capaz de fazer. Lembra do mito da caverna de Platão? Então, é exatamente assim. Continuar lendo

37 arrependimentos que sempre podem ser evitados

O site ViralNova publicou uma lista interessante dos arrependimentos mais comuns que uma pessoa costuma sentir quando chega ao final da vida. Fiz uma tradução livre, quem quiser ver o post original, clique aqui! http://www.viralnova.com/regret-when-older/ (vale a pena, as fotos são lindas!)

“Todo mundo passa pela vida cometendo erros e suportando as consequências; por isso, conforme as pessoas envelhecem, acabam colecionando arrependimentos. Quando chegar nesse ponto e pensar na retrospectiva da sua vida, você vai saber quais mudanças deveria ter feito. Porém, queremos ajudar você: fizemos uma lista das 37 coisas que você não deve fazer, ou vai se arrepender pelo resto da vida. Apenas leia as dicas e confie em nós, vai valer a pena.

1) Não viajar quando se tem chance. Quanto mais velho você fica, mais difícil se torna viajar, porque mais pessoas dependem da sua presença diária e acaba ficando caro levá-las com você.

2) Não falar outro idioma. Você provavelmente passou anos aprendendo outra língua na escola, deveria fazer bom proveito disso.

3) Ficar em um relacionamento destrutivo. Pode ser difícil sair de um relacionamento ruim, mas insistir e desperdiçar o tempo de todos os envolvidos é bem pior.

4) Esquecer o protetor solar. É meio chato, mas os danos causados pelo sol se acumulam ao longo dos anos, causando manchas e rugas.

5) Perder a chance de ver seus artistas favoritos ao vivo. Nunca se sabe quando sua banda favorita vai se separar, então aproveite enquanto pode.

6) Ter medo, seja lá do que for. O medo pode ser paralisante, mas só te domina se você permitir.

7) Não fazer dos exercícios físicos uma prioridade. Conforme você envelhecer, perceberá o quanto é importante cuidar bem do corpo.

8) Deixar-se definir por rótulos. Defina a si mesmo, não deixe que a sociedade o faça.

9) Trabalhar em um lugar que odeia. Você precisa pagar o aluguel ou sustentar uma família, mas não pode se obrigar a viver uma vida medíocre todo santo dia.

10) Não dar o seu melhor nos estudos. Notas são importantes, mas o que é realmente importante é se dedicar e aprender a aplicar o que aprendeu.

11) Não perceber o quanto você é lindo(a). Existem várias formas de beleza, e você não deveria pensar que é menos do que ninguém.

12) Ter medo de dizer “eu te amo”. Amar alguém é um presente muito valioso, até mesmo quando o amor não é correspondido na mesma intensidade.

13) Não ouvir os conselhos dos seus pais. Eles têm muito mais experiência que você, então merecem algum crédito.

14) Passar sua juventude mergulhado em si mesmo. Há muita coisa no mundo além do seu umbigo, um dia você vai perceber isso.

15) Preocupar-se demais com o que as outras pessoas pensam. Quando for mais velho, você vai notar que a opinião dos outros não lhe trouxe felicidade nenhuma.

16) Deixar seus sonhos de lado por causa dos outros. Ser legal é uma coisa, sacrificar sua própria felicidade é outra bem diferente.

17) Dormir no ponto. Não hesite ao tomar decisões, você pode acabar perdendo um tempo precioso e se arrepender depois.

18) Guardar rancor, principalmente das pessoas que você ama. Perdoar é deixar a dor ir embora em vez de se afundar nela.

19) Não defender suas ideias. Só porque outras pessoas não concordam com seu ponto de vista não significa que você deve abandonar seus princípios.

20) Não fazer nenhum trabalho voluntário. Há milhares de razões para ajudar outras pessoas, especialmente aquelas que mais precisam.

21) Não cuidar da saúde bucal. Escovar os dentes e usar fio dental é irritante, mas é muito melhor cuidar dos seus dentes enquanto você ainda os tem.

22) Perder a chance de conversar com seus avós enquanto eles ainda vivem. O conhecimento que eles acumularam durante a vida é enorme, e só estará disponível por pouco tempo.

23) Trabalhar demais. Você vai acabar perdendo as melhores partes da vida, ou no mínimo estar estressado demais para aproveitá-las.

24) Não aprender a cozinhar. Preparar uma refeição agradável para a família ou os amigos vai te proporcionar mais momentos felizes que você possa imaginar.

25) Não parar para curtir o momento. Largue o celular e se concentre na experiência que está vivendo em vez de ficar mandando mensagens ou fazendo selfies. 

26) Não terminar os projetos que começou. Cada dia que começa é uma nova oportunidade que deve ser aproveitada.

27) Não aprender um truque para mostrar nas festas. Parece bobo, mas pense em quantas memórias boas você terá sobre isso.

28) Deixar sua personalidade ser definida por expectativas culturais. Se a sua família ou o seu país acham que você deveria seguir uma determinada carreira, não significa que você é obrigado a isso.

29) Recusar-se a deixar as amizades seguirem seu curso natural. Às vezes as pessoas se afastam, e forçar uma conexão faz mais mal do que bem.

30) Não brincar com seus filhos. Crianças são inocentes e alegres, você deveria encher sua vida com essa alegria em vez de fugir dela.

31) Nunca correr grandes riscos (principalmente no amor). Um risco alto pode ser muito mais enriquecedor do que um baixo.

32) Não dedicar algum tempo para fazer networking. Pode ser desagradável, mas pode ser importante para sua carreira a longo prazo.

33) Preocupar-se demais. Preocupação, especialmente sobre coisas que ainda não aconteceram, é perda de tempo.

34) Alimentar dramas desnecessários. Criar drama é viciante, não caia nessa de ficar maldizendo a própria existência.

35) Não passar tempo suficiente com as pessoas que amamos. Não se esqueça que todos estamos neste planeta por tempo limitado.

36) Nunca fazer uma performance na frente de outras pessoas. Pode ser que você descubra que não é a sua praia, mas tentar pelo menos uma vez é uma experiência de vida importante.

37) Não expressar gratidão. Aprenda a agradecer e a se sentir verdadeiramente grato. Se fizer isso, muita coisa vai mudar na sua vida.”

Continuar lendo